Liberdade real, religião, fé, fundamentalismos e ciência

Ser livre é não precisar ter medo. Abaixo - em cinco partes - está o documentário "A raíz de todo mal - o vírus da fé" de Richard Dawkins. Ele é autor do polêmico "Deus, um delírio". Uma crítica contundente ao fundamentalismo religioso. Sua coragem é admirável, seus métodos nem tanto, mas com certeza uma voz importante para contenção do fundamentalismo religioso e o medo que ele provoca em todos nós. De certo, num mundo onde ainda existe a liberdade de expressão, a defesa da ciência que acredita não precisar da hipótese da existência de um Deus, ainda está garantida. Assim como a convivência pacífica de todas as religiões. Portanto, viva a liberdade. Viva o mundo em que não precisamos ter medo de dizer o que pensamos. Por que digo isso, porque nesta mensagem eu quero dizer que não é a ciência ou a religião que me apaixona, mas a liberdade. Defendo a liberdade e não exatamente a ciência ou qualquer religião. Porém, eu defendo a liberdade real e não uma liberdade abstrata. Por liberdade real eu entendo a existência que não precisa ter medo. E para mim a prisão real é ter medo. E para não ter medo creio que não podemos desconfiar o tempo todo e de tudo, mas também não podemos admitir valores e idéias absolutizadas, completas e exclusivas. Eu acho que a confiança e a desconfiança parecem ser ingredientes igualmente necessários para garantir a liberdade real.
Ps: acho que a definição de liberdade que usei acima foi dita por uma mulher da Birmânia chamada Suu Kyi.

Richard Dawkins-A Raiz de Todo o Mal-O Vírus da Fé 1/5



Richard Dawkins-A Raiz de Todo o Mal-O Vírus da Fé 2/5



Richard Dawkins-A Raiz de Todo o Mal-O Vírus da Fé 2/5




Richard Dawkins-A Raiz de Todo o Mal-O Vírus da Fé 4/5




Richard Dawkins-A Raiz de Todo o Mal-O Vírus da Fé 5/5
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto de pesquisa: o que é hipótese e marco teórico

Projeto de pesquisa: construindo o marco teórico

História do Direito: O direito grego antigo.