Notas sobre o conceito de autoritarismo

O autoritarismo burocrático que domina a América Latina pode ser descrito através de três aspectos: politico, econômico e cultural.

No aspeto político, o poder é concentrado no executivo. É sustentado por industriais, banqueiros e comerciantes muito ricos e poderosos, donos da maior parte da riqueza do país, e pela classe militar e excluindo, assim, as outras classes. Uma democracia representativa é tolerada desde que possa ser manipulada. O legislativo é dependente do executivo até para eleger os seus próprios representantes. As conseqüencias são uma diminuição da vida civil e nenhuma mudança na organização social e liderança local. Este processo de alienação política é reforçado pelo controle da classe média.

Na economia, o autoritarismo aparece na concentração de renda, na contenção salarial, no desenvolvimento de um mercado financeiro e do lucro. Ele também pode ser visto na pobreza da economia rural, enquanto que a industrialização é provida de ajuda financeira internacional criando, assim, uma dependência externa. Capital estrangeiro é pego emprestado por um alto custo causando uma dívida externa e uma defasagem na balança comercial. Existe uma dependência nacional em relação aos mecanismos de mercado internacional que torna possível uma tipica produção industrial para aquilo que é chamado uma sociedade de consumo. Sobre tais condições grandes conglomerados e empresas são formadas e privatizam e tomam para si os setores da economia mais rentáveis. Os setores menos rentáveis ou aqueles que requerem um investimento inicial são deixados para o governo.

Na vida cultural, o autoritarismo aparece no modo como os meios de comunicação são controlados e usados. Ao lado de um alto índice de analfabetos e a baixa qualidade da educação persiste um controle por determinados grupos dos sistemas de rádio, televisão e imprensa. Aqueles meios que poucos grupos controlam toda a informação publicada gera a seguinte consequencia: por um lado o controle governamental sobre as informações e, por outro lado, o desaparecimento de pequenos grupos que tentam chegar ao mercado em que eles seriam alternativas, de fato, estes grupos econômicos sofrem problemas de sobrevivência e de forma muito rigorosa censura.

Entretanto, nenhum autoritarismo é poderoso o bastante para dominar completamente. Há muito trabalho que pode ser feito na mídia. A despeito do controle, é possível fazer nascer um novo pensamento ideológico. A mídia não é um mero produto do sistema político, mas um dos modos como se exercita seu domínio. Mas, a despeito deste domínio, o poder de alguns grupos não é suficiente para moldar completamente a opinião pública.

O debate ideológico não tem lugar apenas na grande imprensa. Ele pode ser encontrado em muitos outros lugares.

O modelo autoritário não pode ser pensado mecanicamente como um mero reflexo do desenvolvimento do capitalismo. Ele tem que ser pensado levando em consideração as peculiaridades políticas de cada estado em sua fase monopolista. Por fim, persistindo o autoritarismo a democracia jamais deixará de ser uma onda em qualquer lugar do mundo.

Leia mais sobre autoritarismo na internet. Leia o livro "As Bases do autoritarismo brasileiro" de Simon Schwartzman.
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto de pesquisa: o que é hipótese e marco teórico

Projeto de pesquisa: construindo o marco teórico

História do Direito: O direito grego antigo.