Ciência ou Ciências segundo Régis Jolivet

A CIÊNCIA E AS CIÊNCIAS

Art. I. NOÇÃO DA CIÊNCIA

46 1. Definição. — Devemos aqui precisar a noção da ciência dada no início deste livro1. O termo ciência é encarado de um ponto-de-vista objetivo e de um ponto-de-vista subjetivo.

a) Objetivamente, a ciência é um conjunto de verdades certas e logicamente encadeadas entre si, de maneira que forme um sistema coerente. Sob este aspecto, a Filosofia é uma ciência, tanto quanto a Física e a Química. Num mesmo sentido, é necessário dizer que ela responde melhor à idéia da ciência do que as ciências da natureza, porque usa princípios mais universais e se esforça por descobrir a razão universal de todo o real.

b) Subjetivamente, a ciência é o conhecimento certo das coisas por suas causas ou por suas leis. A pesquisa das causas propriamente ditas (ou do porquê das coisas) é reservada principalmente à Filosofia. As ciências da natureza se limitam a pesquisar as leis que governam a coexistência ou a sucessão dos fenômenos (ou pesquisa do como).

47 2. Só existe ciência do geral e do necessário. — Isto resulta da própria definição da ciência.

a) A ciência tem por objeto o geral. Toda ciência, tendo por objeto descobrir as causas e as leis é, por isto mesmo, conhecimento do que existe no real do mais geral. — O indivíduo e o individual, como tal, não é e não pode ser objeto da ciência propriamente dita, mas unicamente do conhecimento intuitivo, sensível ou intelectual.

b) A ciência tem por objeto o necessário, no sentido de que as causas e as leis que atinge são realidades ou relações que são metafisicamente, fisicamente ou moralmente necessárias, isto é, de tal forma que o real, o metafísico, o físico ou o moral seria ininteligível sem elas. — Deste ponto-de-vista, além disto, não existe ciência do individual, uma vez que o individual, como tal, é contingente (isto é, poderia não ser).




c) Em que sentido o individual e o contingente são objetos da ciência. A asserção de que não há ciência a não ser do geral e do necessário não significa que a ciência não leve em conta o contingente e o individual, mas, somente, que ela visa, no contingente e no individual, ao que é universal e necessário, a saber, as leis a que obedecem, as causas de que dependem, as essências e as naturezas que as definem como parte de uma espécie ou de um gênero.

3. As ciências da natureza são disciplinas particulares, abrangendo os diferentes domínios do real. Seu número é indefinido e elas não cessam de se multiplicar na medida em que o estudo da natureza chega a colocar em evidência a complexidade dos fenômenos naturais.

Podemos, contudo, distinguir entre as ciências da natureza, as grandes categorias que comportam subdivisões mais ou menos numerosas. A classificação das ciências tem por objeto determinar e ordenar logicamente estes grupos ou categorias.

ART. II. CLASSIFICAÇÃO DAS CIÊNCIAS

48 1. As diferentes classificações. — Os filósofos de há muito procuram classificar racionalmente as ciências. Uma tal classificação teria, com efeito, a vantagem de dar uma espécie de quadro ordenado de todo o real. Os principais ensaios de classificação são os seguintes:

a) Classificação de Aristóteles. Aristóteles distribui as diversas ciências em teórica (Física, Matemática, Metafísica) e praticas (Lógica e Moral).

b) Classificação de Bacon. Bacon divide as ciências segundo as faculdades que elas fazem intervir: ciências de memória (história), de imaginação (poesia), de razão (filosofia).

c) Classificação de Ampère. Ampère classifica as ciências em cosmológicas (ou ciências da natureza) e noológicas (ou ciências do espírito).

d) Classificação de Augusto Comte. As classificações precedentes não são rigorosas, porque as divisões que propõem não são irredutíveis (15). A classificação de Augusto Comte é melhor porque se baseia num princípio mais rigoroso. Consiste em classifícar as ciências segundo sua complexidade crescente e sua generalidade decrescente, o que dá a ordem seguinte (corrigindo e completando a de Augusto Comte) : Matemática, — Mecânica, — Física, — Química, — Biologia, — Psicologia, — Sociologia.

2. Sentido da classificação. — Esta classificação não significa que possamos passar de uma ciência a outra sem fazer intervir um elemento novo, isto é, que seja possível reduzir as ciência priores às inferiores. Ao contrário, cada escala faz intervir um elemento irredutível nos precedentes. É assim que a Mecânica introduz a idéia de movimento, que não está incluída na noção das matemáticas, que se refere apenas à quantidade. Do mesmo modo a Biologia, introduz a idéia da vida, que nenhuma das ciências precedentes comporta.

Os métodos em geral

Fonte: http://www.consciencia.org/cursofilosofiajolivet9.shtml
Notas:
1 JOLIVET, Régis. Curso de filosofia. Rio de Janeiro: Agir, 1959.
Cf. Art. I. NATUREZA DA FILOSOFIA -

1. O desejo de saber, fonte das ciências.

Todo homem, diz Aristóteles, está naturalmente desejoso de saber, isto é, o desejo de saber é inato; esse desejo já se manifesta na criança pelos "porquês" e os "como" que ela não cessa de formular; é ele o princípio das ciências, cujo fim primeiro não será fornecer ao homem os meios de agir sobre a natureza, mas, antes, satisfazer sua natural curiosidade.

Se o desejo de saber é assim essencial ao homem, deve ser universal no tempo e no espaço. Ε é isto exatamente o que nos ensina a história. Não há povo, por mais atrasado, em que se não manifeste este poder natural do espírito, que é, por sua vez, tão antigo quanto a humanidade.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto de pesquisa: o que é hipótese e marco teórico

Projeto de pesquisa: construindo o marco teórico

História do Direito: O direito grego antigo.